Fissuras Lábio Palatinas

Fissuras Lábio Palatinas2019-05-27T16:07:33-02:00

São deformidades congênitas que acometem 1 a cada 650 crianças nascidas vivas. O tratamento do paciente com fissura lábio palatina no Hospital Sobrapar conta com uma equipe multidisciplinar composta por cirurgiões plásticos, ortodontista, odontologista, otorrinolaringologista, geneticista, fonoaudiólogo, psicólogo e assistente social.

O tratamento completo leva 18 anos e somente o trabalho em conjunto e interdisciplinar promove a reabilitação completa do paciente.

A cirurgia plástica do lábio é realizada aos três meses de vida e o paciente deve estar com pelo menos com 5 quilos de peso. A  do palato é realizada a partir dos 12 meses de vida ou o paciente deve ter pelo menos 10 quilos de peso. Durante o desenvolvimento da criança, são necessárias as avaliações periódicas da fala e do crescimento.

Alguns pacientes portadores de fissura lábio palatina podem apresentar insuficiência velofaríngea, que ocorre devido a um problema anatômico – a falta de tecido no palato posterior (céu da boca) – impedindo o fechamento completo da porção posterior da faringe durante a fala. Essa insuficiência aparecerá por meio de uma alteração no som da fala dessas pessoas, conhecida como voz anasalada (fanha).

No passado, o tratamento era realizado de diferentes maneiras, com o aumento posterior da faringe ou o retalho faríngeo, porém, neste último, algumas complicações, como ronco e apnéia, podem ocorrer.  No entanto, o Hospital Sobrapar utiliza a técnica do retalho mio-mucoso do músculo bucinador, que devolve uma melhor anatomia aos pacientes e evita complicações. Nessa cirurgia, dois retalhos de músculo e mucosa das bochechas são levados ao céu da boca, alongando a porção mole do palato.

Mesmo com a melhora da parte anatômica após a cirurgia, um tratamento extensivo interdisciplinar é necessário, especialmente com a fonoaudiologia. Mesmo após o sucesso cirúrgico, é muito frequente que os pacientes mantenham o mesmo padrão compensatório de fala, falando como se ainda não tivesse sido feita a cirurgia reconstrutora do céu da boca.

Nessa situação, a fonoterapia é essencial para reabilitar a fala. Por meio de treinamentos específicos, orientações aos responsáveis e muitas vezes à escola, a equipe de fonoaudiologia faz com que o paciente comece a articular corretamente, reaprendendo a falar de forma compreensível e dentro dos padrões convencionais, sendo compreendido por todos.

A nova técnica venceu em 2016 o prêmio Ivo Pitanguy concedido no 53º Congresso Brasileiro de Cirurgia Plástica, em Fortaleza (CE), ao concorrer com mais de 500 trabalhos científicos.

Fissura lábio palatina bilatera

Fissura lábio palatina unilateral

Fissura lábial

Fissura palatal

Dúvidas Frequentes – FAQ

A criança pode ter algum problema no desenvolvimento físico e intelectual?2019-04-15T20:28:42-02:00

As fissuras lábio palatinas são malformações de causa não definida e frequentemente ocorrem isoladas, isto é, não são acompanhadas de outras alterações ou síndromes neurológicas. Por isso, a maioria das crianças se desenvolve muito bem nos aspectos social, escolar e familiar. A maioria das crianças portadora de fissura palatina tem problemas com fluidos atrás da membrana do tímpano e/ou com infecções auditivas. Isto é porque a tuba de Eustáquio que liga a orelha média à boca não executa sua função de drenagem corretamente, permitindo o acúmulo de fluidos na orelha média. Este fluido é ambiente para a procriação de bactérias que causam infecções. Algumas vezes é necessária cirurgia para a colocação de tubos de drenagem nos tímpanos até a correção da fissura palatina.

Quais são os cuidados com o pós-operatório?2019-04-15T20:27:52-02:00

Não deixar cair, não usar chupeta, não usar mamadeira dieta liquida e pastosa por um mês

Como é o tratamento para um bebê com fissura?2019-04-15T20:27:16-02:00

O tratamento é cirúrgico, pois não tem como a fissura fechar sozinha

O bebê com fissura lábio palatina será uma criança normal?2019-03-12T11:06:43-02:00

As fissuras lábio palatinas são malformações de causa não definida e freqüentemente ocorrem isoladas, isto é, não são acompanhadas de outras alterações ou síndromes neurológicas. Por isso, a maioria das crianças se desenvolve muito bem nos aspectos social, escolar e familiar.

A criança com fissura lábio palatina tem dificuldade de fala ou terá a voz fanhosa?2019-04-15T20:26:14-02:00

Por causa da abertura no céu da boca, crianças com fissura palatina não podem impedir que o ar escape pelo nariz quando falam. Isto faz com que a voz saia nasalizada ou “fanhosa” dificultando a compreensão e a comunicação. Crianças que aprendem a falar antes que o céu da boca seja corrigido tentam compensar a fala anormal desenvolvendo mecanismos compensatórios e inapropriados. Quando a cirurgia é realizada em tempo correto e as orientações de fonoaudiologia são adequadas, a maioria das crianças desenvolve uma fala bastante próxima da normal. Porém, algumas crianças podem precisar de terapia para ajudá-los a “desaprender” alguns comportamentos de fala anormal que foram desenvolvidos para compensar a hipernasalidade.

Como fazer para alimentar uma criança com fissura no lábio e/ou palato?2019-04-15T20:26:45-02:00

Crianças com fissuras lábio palatinas podem ter dificuldade de alimentação. Por causa da comunicação entre a boca e o nariz o bebê pode não conseguir ter uma sucção efetiva. Se a fissura só envolve o lábio (e o palato for normal) a amamentação pode ser conseguida com êxito. Os pais podem tentar uma variedade de mamadeiras antes de achar a que atenda melhor ao seu bebê. Este acompanhamento e orientações são realizados pela fonoaudióloga e o monitoramento do ganho de peso e de nutrição deve ser feito por pediatras. Com a orientação e liberação do pediatra, podem ser oferecidos alimentos pastosos (papinhas salgadas e de frutas).